Eventos


01 de março de 2021

Orquestra Sinfônica Municipal interpreta obras de Guarnieri e Schumann, Bach e Villa-Lobos, em dois concertos abertos ao público

 Orquestra se apresenta nos dias 5 e 6 de março, com capacidade reduzida da Sala e seguindo todos os protocolos de segurança sanitária; YouTube do Theatro Municipal também transmite os concertos ao vivo. Foto: Rafael Salvador. 

A Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo (OSM) sobe ao palco nos dias 5 e 6 de março, sob a regência de seu maestro titular Roberto Minczuk, para mais dois concertos abertos ao público e com transmissão simultânea pela internet. Em cumprimento aos protocolos de segurança, a Sala de Espetáculos opera com capacidade reduzida por conta das regras de distanciamento social.  Na sexta, a apresentação ocorre às 19h e no sábado, mais cedo, às 17h.  Os ingressos custam R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia). Mas quem estiver em casa também pode acompanhar ao vivo e de graça, pelo canal do Theatro Municipal no YouTube. E os concertos ficam disponíveis para acesso posterior, a qualquer hora e sem necessidade de cadastro.

Na sexta-feira, 5 de março, o repertório revisita as obras de Guarnieri e Schumann. Do compositor brasileiro Camargo Guarnieri(1907-1993), o grupo interpreta Concerto para Cordas e Percussão, uma instrumentação base para violinos, violas, violoncelos, contrabaixos e percussão. Composta em 1972, sob encomenda da Orquestra de Câmara Armorial, de Pernambuco, a obra se assemelha ao Concerto para Orquestra do compositor húngaro Béla Bartók (1881-1945).

Na sequência, tem a Sinfonia nº 2 em Dó maior Op. 61, do alemão Robert Schumann (1810-1856). Uma obra em quatro movimentos com presença marcante de flautas, oboés, clarinetes, fagotes, trompas, trompetes, trombones, tímpanos e cordas. A peça foi escrita e orquestrada entre o final de 1845 e 1846, período em que o compositor apresentava sintomas de depressão por conta de um colapso nervoso sofrido anos antes. Embora muitos dos temas da Sinfonia nº 2 façam referência a melodias de J. S. Bach e Beethoven, o caráter da peça nem de longe lembra a obra desses mestres

Já no sábado, 6, Minczuk comanda repertório com obras de Bach e Villa-Lobos. Do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), a Orquestra Sinfônica Municipal, em formação de câmara, toca Prelúdio da Partita nº 3 em Mi Bemol Maior BWV 1006 e Suite Orquestral nº 2 em Si menor BWV 1067, esta segunda peça uma instrumentação para violinos, viola e contrabaixo, com solos de flauta transversal, interpretados pelo músico Marcelo Barboza.

A outra peça do programa é a conhecida Bachianas Brasileiras nº 2, do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), um dos grandes representantes do movimento da Semana de Arte Moderna de 1922. A composição data de 1930 e não deixa de carregar certa identidade entre alguns aspectos com a ficção literária brasileira da época. A OSM interpreta os quatro movimentos da obra: “Canto do Capadócio”, “Canto da Nossa Terra”, “Lembranças do Sertão” e “O Trenzinho do Caipira”. O concerto conta também com a participação da harpista Jennifer Campbell.

Os concertos presenciais no Theatro Municipal de São Paulo seguem todos os protocolos de segurança e prevenção à propagação do Coronavírus (Covid-19) e as orientações do Plano São Paulo e da Prefeitura Municipal de São Paulo para retomada consciente das atividades. Ao público espectador presente na Sala de Espetáculos, é necessário seguir os protocolos de segurança estipulados em nosso Manual do Espectador, disponível aqui.